13/11/2012

Reflexão: O que estamos reforçando em nossos jovens e crianças?

Reflexão: O que estamos reforçando em nossos jovens e crianças?
O ser humano tende a se identificar (nas sua 1ª e 2ª infância) com o “modelo” e sempre elegem um adulto, para ser seu exemplo, e se este exemplo não for socialmente “correto”. Pode interferir consideravelmente no seu caráter e personalidade.
O ser humano nasce extremamente frágil, e durante os primeiros anos de sua vida vai gradativamente, organizando suas impressões de mundo, em conformidade com as referências que os cercam, sua organização dependerá em parte dos seus potencias pessoais, (livre árbitro) más também de como será educado, cuidado, se amado, querido e apoiado.
Nós seres humanos estamos muito expostos, aos valores educativos daqueles que “datem o poder” de mídia, por exemplo, e de “adulto”, nos indicando vias de facilitação para nossa formação como pessoas.
Portanto uma criança um adolescente, um ser humano criado com discriminação e preconceito, tende a ser preconceituosa, aqueles que convivem com agressões, com exemplos de violência, tende a repetir na vida adulta este comportamento, e assim por diante.
Nossos jovens e adolescentes, de hoje são reflexo de ontem, de como foram criados. A educação os exemplos que damos hoje são fundamentais para o desenvolvimento de este ser humano amanhã.
A sociedade, educadores, outros adultos e aqui incluímos a igreja de CRISTO, no convívio do cotidiano, exercem papel importantíssimo, complementando a família, no que se refere à socialização da criança, intermediando o processo da identidade e inserção social. ”Valores morais”, respeito ao próximo, surgem da aprendizagem progressiva, desde os 1º contatos com a mãe, e com as noções de privacidade introjetadas no convívio com o pai e com irmãos. Quem não recebeu um mínimo de acolhimento e sofreu privações de convívio familiar pode ter dificuldades em respeitar regras de convivência em qualquer subgrupo social.

Momento de reflexão

Como vemos a personalidade, o caráter do indivíduo começa a se estruturar na 1ª infância e na 2ª infância, se a identidade do ser humano, vai se formando, se moldando conforme seu aprendizado, seus modelos, seu convívio com os adultos etc. porque temos muitos adolescentes, jovens e adultos “Ruins”, mal formados com personalidade destorcida do mundo, do que é “certo” do que é “errado”?
Responderei a esta pergunta com outras pergunta
Deus tem feito parte do seu cotidiano? Tem feito parte do dia a dia de seus filhos? Qual é o exemplo Cristão que você sociedade cristã tem dado ás nossas crianças, e novos convertidos? E você “Líder’, tem desempenhado de maneira ética seu papel a ponto de poder dizer com segurança, que tem sido e dado bons exemplos”?
Pois para nossas crianças (incluo aqui todas as crianças que temos contatos cristãos e não cristãs e adolescentes) somos o ideal deles alguém que eles querem ser, e se identificam. Você pode ter a convicção que tem sido bom exemplo? Podemos afirmar sem medo que não estamos em hipótese alguma, influenciando negativamente uma criança e ou adolescente? E que este tem podido contar conosco, como nossa “imagem” para se “espelhar”? , ou é mais seguro, pregar para “essas criaturinhas” nunca olhar para nós e sim para Cristo, pois somos falhos. E como é que fica aquilo que Deus diz “serdes meus “imitadores”. Eu entendo que se sou imitadora de Cristo, logo, se alguém me imitar será uma benção”. O cristão sente Cristo, adquire fé pela sua palavra, más O vê através de Mim e de Você.

 Lei do Efeito e estímulos Reforçadores

Se não houver coerência com o ensinar e o desempenhar, tudo será  em vão cai no vazio, além do modelo que influencia temos que reforçar esta influência a cada momento, para fortalecer neste indivíduo comportamentos Cristãos coerentes e éticos.
Segundo a ciência do comportamento humano “a lei do efeito não é uma teoria”, é simplesmente uma regra para fortalecer o comportamento (B.F.Skinner) quando damos bons exemplos estamos reforçando uma resposta positiva, se observarmos com atenção, perceberemos uma diminuição, mesmo que lenta na frequência dos comportamentos negativos da aquela pessoa, que está sendo “influenciada”; O efeito que queremos “causar” nos seres humanos depende dos “estímulos” que estão sendo oferecidos , os estímulos bons reforçam o comportamento bom e vise e versa , temos que ser reforçadores porque um reforçador é agradável.
É uma das técnicas que o mundo utiliza para reforçar comportamentos de nossos jovens, temos que usar e abusar da palavra de Deus (que é nosso grande reforçador), com amor e cuidado e zelo, devemos aprender a manusear esta Palavra, sem preconceito, para não reforçar um comportamento aversivo e ou aversão ao modelo.
A Mídia a sociedade atual tem este “dom”, de oferecer estímulos muito mais agradáveis que os nossos “Cristãos”, para atrair, mudar e reforçar comportamentos que em nossa sociedade cristã condenamos não por pré-conceitos e sim por obediência e amor a Deus e sua Palavra que é nosso guia de conduta.
A igualdade entre o que falo e faço causa grandes mudanças, na sociedade nas pessoas e em mim mesmo.
Se, deseja ser um agente de transformação, um canal de Benção para nossos jovens e Crianças, para uma sociedade, seja ético. A palavra tem poder, más seu comportamento e suas ações falam mais que palavras.
Marisa Lobo Psicóloga Cristã
www.psicologiacrista.com.br
"As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores."
Avatar de ffalves

Por

Marisa Lobo é psicóloga clínica, escritora, pós-graduada em saúde mental, conferencista realiza palestras pelo Brasil sobre prevenção e enfrentamento ás drogas, e toda forma de bullying, transtornos psicológicos, sexualidade da familia, entre outros assuntos. Teóloga, ela é promoter e organizadora da ExpoCristo realizada no Paraná. Marisa é casada, tem dois filhos e congrega na IBB em Curitiba.

Artigos de

O que a Bíblia diz sobre o Natal?



Nada. O Natal não é mencionado nenhuma vez nas Escrituras. Todos os anos, em todo o mundo, algumas pessoas guardam o dia escolhido pelos homens para comemorar o nascimento de Jesus. Algumas pessoas o guardam como um dia santo especial, enquanto muitas outras fizeram dele um tempo de comercialização, de interesses egoístas.
As modernas comemorações do Natal têm pouco a ver com os fatos da Bíblia. A Bíblia não revela a data do nascimento de Cristo, nem mesmo o número de magos que o visitaram em Belém. As Escrituras não autorizam uma comemoração especial na igreja, nem um dia santo para comemorar o nascimento de Jesus. Evidentemente, a Bíblia não dá aprovação ao materialismo egoísta, tão comum nessa época do ano.
Mas Jesus nasceu, e por um motivo muito bom. Ele veio para salvar-nos do pecado (1 Timóteo 2:6). Ele é o Rei, não só dos judeus, mas de todos os homens (Mateus 28:18-20). Sua grande vitória veio, não com seu nascimento, mas com sua morte e ressurreição. Esta é a vitória que o faz nosso Redentor, digno de honra e adoração (Apocalipse 5:8-14).
Hoje, precisamos imitar os magos, que procuraram tão esforçadamente encontrar Jesus. Não podemos nos contentar com as crenças tradicionais, as doutrinas humanas, ou os dogmas das igrejas. Temos que examinar as Escrituras (Atos 17:11). Temos que aceitar o que é certo e rejeitar o que é errado (1 Tessalonicenses 5:21-22). Temos que estar certos de que Jesus veio a esta Terra uma vez, e que ele voltará para chamar-nos ao julgamento (Atos 17:30-31; 2 Coríntios 5:9-10).
Na época do Natal, quando muitas pessoas mostram uma religião superficial e falam sobre um Jesus desconhecido para elas, nós devemos lembrar que é possível ser só cristãos, seguidores de Jesus. Não devemos ensinar ou defender doutrinas de homens. Temos que simplesmente seguir a Jesus e encorajar outros a fazerem a mesma coisa. Que possamos adorar a Cristo de acordo com a vontade dele!
-por Dennis Allan
Fonte: Estudos da Bíblia